sexta-feira, 31 de julho de 2015

BLW - Frutas e dúvidas

Postado por Erika Gomes às 20:21 0 comentários
Olá! Como contei no post resumido sobre BLW, decidi fazer posts específicos sobre o método e outros só sobre nossa experiência com ele (para não ficar muito grande e poder explicar melhor). Por aqui o interesse no que comemos começou aos poucos...O Leo começou a ficar sentadinho com 5 meses e meio mais ou menos, mas antes já tentava pegar coisas da minha mão! No calorzão de janeiro pegou um amor absurdo por lamber copos gelados haha. Já me deu um banho tentando pegar a garrafa de água que eu tomava e tentou roubar minha pizza! Isso foi só aumentando até que um dia encostou uma pera na boca dele, com uns 5 meses e 20 dias mais ou menos, fez uma carinha mais ou menos mas tirei. Com 6m deixei ele atacar minha pêra de novo, dessa vez de verdade, esfregou na fralda, colocou um pouco na boca mas não comeu,a mesma coisa com uma banana no dia seguinte, só encostava na boca e fazia uma baguncinha. Mas depois de uns dois dias, coloquei ele no carrinho, troquei a bandeja e deixei ele sentado (ele já estava ficando bem firme sozinho), coloquei um pedaço da melancia que eu comia e ele chorou quando não deixei pegar. Se lambuzou todo! Mas não tenho fotos
(chorei). Adorou a melancia e de lá já foi pro banho (e que banho!) haha. No dia seguinte, no mesmo horário comeu melancia de novo, geladinha, tomei o cuidado de tirar as sementes antes de oferecer. E no outro, comeu banana e assim começamos a introdução!












Ele gostou bastante! Fiquei meio sem saber o que fazer nos primeiros dias, sempre tive muitas dúvidas mas logo nesses três dias encontrei as respostas:


Como oferecer?

Já que ele demonstrava interesse na comida, não demorou muito para eu colocar na bandeja e ele já pegar. Acho essencial isso, quando a criança não tem vontade ela fica irritada mais facilmente e o interesse pode demorar mais para vir por causa do trauma de uma situação forçada. O legal é ficar tranquila, sem se prender muito em quantidades que devem ser ingeridas. Pode ser um pouco frustrante no começo se a criança não quiser comer, ou só fizer bagunça, mas com o tempo ela vai pegar aquele "brinquedo" novo e colocar na boca. Comer junto também é importante, bebês adoram imitar!

Quanto oferecer?
Como eu disse, não se deve apegar muito em quantidades, na hora de oferecer sempre mantenho comigo um pratinho com pedaços e vou oferecendo aos poucos na bandeja, isso também é bom para quando acontecerem os arremessos de pedaços haha. Se você deixar muitos pedaços na bandeja a criança pode ficar meio "perdida" em meio à muitas coisas novas.

O que oferecer?
No caso das frutas as coisas são mais simples, dando preferência sempre às orgânicas, qualquer fruta pode ser oferecida, tendo apenas cuidado com sementes, formatos e rigidez. Por exemplo, você pode começar a introdução com frutas mais macias, como pera, banana, mamão, abacate, melancia... como algumas são escorregadias pode também deixar com um pouco de casca (bem higienizada) para auxiliar a criança.
A uva, além das sementes, por seu formato pode ser perigosa e causar engasgos, sendo redonda, o bebê pode tentar morder e a fruta "pular" ao fundo da garganta. Aqui sempre ofereço a uva sem semente e cortada ao meio e, se for maior, em quatro pedaços.
Maçã também pode causar engasgos se cortada em palitos, o bebê pode cortar um pedaço muito grande e não conseguir mastigar ou cuspir, causa muitos gags reflex por isso. Para o Leo sempre ofereço cortada em formato de "lâmina", com casca, o formato também ajuda para ele segurar com mais firmeza.
Também é interessante se atentar a alergias, ainda mais se houverem casos na família, oferecer a mesma fruta por cerca de dois ou três dias ajuda a associar uma reação que a criança tenha ao alimento certo.

Quando oferecer?
As frutas por aqui são duas vezes por dia, como café da manhã e no lanche do meio da tarde. Algumas mães também oferecem como sobremesa, principalmente a laranja, que ajuda a absorver o ferro dos alimentos. Aqui o Leo geralmente está "cheio" então não come muito depois do almoço, ele prefere mamar e dormir depois. Nossos horários também são bem flexíveis em relação às refeições, mas tento sempre dar no horário mais próximo possível, acho que isso já vai muito da rotina da casa e tudo mais..


Acho que sobre frutas o básico é isso, sempre tem algo para falar mas vou atualizando com novas informações! Espero que tenham gostado e na próxima vou passar receitinhas e falar sobre almoço/janta. Beijoss.




terça-feira, 14 de julho de 2015

A "lei do parto normal" e a cesárea eletiva

Postado por Erika Gomes às 20:32 0 comentários
Faz tempo que não posto aqui no Blog, mas como postei na página quero muito voltar! E ultimamente, vendo toda essa movimentação em relação à "lei do parto normal" e me deparando com essa imagem precisei escrever sobre..


Primeiro, a "lei" não é querendo obrigar ninguém ao parto normal. Como (poucos) sabemos, o Brasil tem altas taxas de cirurgias cesarianas desnecessárias, a OMS orienta que seja até 15% e aqui são 40% na rede pública e 84% na rede privada! Ou seja, em nosso país, 32,8% dos partos são por meio de cesáreas.
Mas afinal, o que causa tudo isso? São realmente todas as mulheres cesareadas que precisavam passar por uma? NÃO. Então qual o motivo de tantas cesarianas? Se resumem em 3 itens:
1- Desatualização médica: cordão enrolado, bebê "grande/pequeno", muito/pouco líquido, mãe muito magra/gorda... muitos médicos ainda usam esses motivos para levar a gestante à "cair na faca". Essas justificativas NÃO SÃO indicações de cesariana. (Para mais informações recomendo o blog da Dra Melania Amorim: http://estudamelania.blogspot.com.br/2012/08/indicacoes-reais-e-ficticias-de.html?m=1 )

2- comodidade médica: qual médico quer deixar de receber do plano de saúde por um dia todo de consultório para atender por sabe-se lá quantas horas um trabalho de parto? Sinceramente, nenhum. Muitos preferem ter uma agenda organizada, realizar várias cirurgias por dia, lucrar mais e, melhor ainda, não terem imprevistos e curtirem seua fins de semana.

3- Gestante com medo: isso é o fundamental pra uma gestante ser incentivada à uma cesariana, "dói muito" "você vai implorar pela cesaria" "é perigoso" "vai ficar larga" e muitos outros incentivos (só que não) levam as mulheres a acreditarem que não são capazes de parir! Mas seus corpos são SIM feitos para isso. O que precisamos é de muito apoio, informação (não só a grávida mas também é essencial que o acompanhante também saiba dos direitos dela na hora do parto para ajudar). E principalmente de um profissional da área que seja atualizado, dedicado e disposto à dar a melhor assistência àquela mulher nesse momento tão delicado e maravilhoso. Que saiba avaliar bem a situação e passar tranquilidade, que é o que precisamos. Sei que é difícil (e caro) de encontrar, mas esses profissionais existem, e vale muito a pena! Se eu soubesse o que passaria no meu parto (leia meu relato aqui) teria me empoderado muito mais.

Mas enfim, o que muda sobre as cesarianas agora em diante?

- Se você deseja a realização da cirurgia, mediante à assinatura de um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, poderá ser realizada eletivamente (e inclusive coberta pelo plano de saúde).
Encontrei os dois modelos seguintes na página do Facebook "Eu Escolhi Cesárea".



-Todos os planos de saúde terão que informar às gestantes que solicitarem a porcentagem de cesarianas realizadas pelos médicos e maternidades que têm atendimento coberto pelo mesmo. O que, com certeza, vai influenciar e muito na escolha de uma gestante que pretende ter um parto (já que algumas maternidades tem taxas de até 95% de cesarianas).

Em resumo, se você pretende ter uma cesariana, nada muda, mas a tal "lei" do parto serve de incentivo para a redução de cesarianas, o que já é um belo começo no país recordista no procedimento! Vou acabar por aqui mas logo eu volto, falando mais sobre parto, beiiijos <3 p="">
 

Vivendo Para Dois Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos